domingo, 8 de março de 2015

Tens razão

Desculpa. Tens razão, fui longe demais. Desculpa. Tens razão, não devia ter feito o que fiz. Meu amor, tens razão em tudo o que dizes, eu bem sei. Desculpa. Tens razão, devia ter-te dado ouvidos. Não me devia ter escondido. Não devia ter dito o que disse. Meu amor, bem sei. Não foi por mal, guardei tantas memórias de ti junto a mim. Guardei a nossa perfeita ideia de um nós para sempre. Tens razão, eu bem sei. Disse que ainda te amava, não o devia ter mostrado, mas vi-te ali naquela luz e quis ir ter contigo. Desculpa, não devia ter ido, bem sei. A vida não tem nada para dar se não te tiver comigo. Devia ter sido mais forte, bem sei. Tens razão. Escrevi-te tantas cartas mesmo sabendo que nunca as irias ler. O mundo parece tão minúsculo quando não estás aqui. Tantos beijos trocados naquela praia em que o mar nos tocava os pés. Aquele céu meio laranja, meio vermelho, bem me lembro dele, bem me lembro de te ter dito que não queria mais perder o sorriso que me davas. Disseste que não te restava muito tempo. Disseste que não o querias perder com discussões. Numa despedida que faço a mim mesma, me entrego à morte para te poder ter comigo de novo. Que assim seja. Desculpa. Devia ter-te dado ouvidos. Tens razão. Bem sei.








6 comentários: