domingo, 5 de julho de 2015

Amar-te

Nunca é um excesso a felicidade de te amar. Amar-te com os olhos e amar-te com as palavras que não me saem pelos lábios mas que te tocam com as mãos. Nunca é um excesso de felicidade se amar implica amar-te, amar cada imperfeição e cada devaneio teu, amar o teu mau feitio e o teu orgulho.
Amar-te com o corpo e amar-te com as letras por linhas que traço em cada sorriso teu. Nunca é um excesso de felicidade quando a felicidade é amar-te. Amar a ti, com tudo aquilo que tens incluído.
Amar cada defeito teu. É amar cada defeito teu que vou descobrindo que amar é mesmo assim.

6 comentários:

  1. Lindo poema. Parabéns.

    http://sagasousadas.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
  2. Adoro tudo o que escreves! É tão sentido!

    Já não vinha ao teu blog há algum tempo, sendo que só vi o layout agora, e está simplesmente magnifíco, parabéns!

    Beijinho
    http://embusca-de-umsentido.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Tatiana! Fico feliz por teres gostado!
      Beijinho

      Eliminar
  3. Parabéns pela tua escrita, nota-se que é realmente sentida e vivida :)
    Se quiseres passa pelo meu, também escrevo.
    Beijinhos
    Catarina Azevedo
    www.dontcreatelimitations.blogspot.com

    ResponderEliminar